Boa escovação evita diversas doenças periodontais e dores de cabeça com a saúde bucal

Parece besteira falar sobre como escovar os dentes, afinal, todo mundo sabe que é só pegar a escova dental, colocar o creme e esfregar sobre os dentes em movimentos contínuos e circulares. Certo? Nem sempre! O movimento é tão automático que, às vezes, nem percebemos que estamos cometendo alguns erros bobos, como colocar uma quantidade excessiva de creme ou escovar com muita força.

Escovar os dentes é uma daquelas ações que precisam se tornar um hábito e devem ser ensinadas desde criança, ainda mais quando a visita ao dentista não é possível. Mas não se trata somente de escovar os dentes após as refeições – ou, ao menos, três vezes ao dia –, mas, sim, de escová-los da forma correta e com o material adequado.

“Uma boa escovação pressupõe atenção aos dentes, à língua, às gengivas e o uso do fio dental”, explica Paulo Nacarato, dentista no Jardins, em São Paulo.

Como escovar os dentes?

Passo um, uma boa escova, macia e de cerdas médias. Escovas duras machucam a gengiva e não limpam direito os dentes, bem como as de cabeça muito grande, que não alcançam os lugares menos explorados da boca.

A quantidade de creme dental também deve ser analisada. “A pasta em excesso dá a falsa impressão de maior limpeza, mas, na realidade, ela alcança menos a placa bacteriana, por deslizar mais nos dentes”, diz o profissional. Por isso, coloque uma pequena quantidade, preenchendo somente a pontinha da escova.

Em geral, a escovação deve ter início pelos dentes superiores e, na sequência, para os inferiores. Recomenda-se que se escove, em primeiro lugar, as superfícies dos dentes voltadas para a bochecha para, na sequência, seguir para as partes internas.

“É importante focar na superfície de mastigação dos dentes, locais nos quais se concentram os resíduos. Além disso, em função de um bom hálito, deve-se dar a devida atenção à língua”, ressalta Nacarato.

Atenção além dos dentes

Nem só os dentes devem ser lembrados na hora da escovação. A parte da gengiva rente ao dente também deve ser escovada, pois é onde o tártaro e a placa costumam se alojar. Além disso, não esqueça da língua.

Ah, falando na língua: cuide para que ela não atrapalhe o processo, interferindo no trabalho da escova em alcançar todas as áreas.

Um outro detalhe que muitas vezes não percebemos ao escovar os dentes é a abertura da boca. Você sabia que abrir demais pode prejudicar a escovação? “Abrir demais a boca pode atrapalhar a alcançar alguns dentes traseiros, dificultando a limpeza”, salienta o dentista.

Para finalizar, sempre que possível dê aquela checada no espelho, pois mesmo com uma boa escovação, alguns resíduos podem passar e estar aparentes. Caso isso aconteça, escove os dentes novamente, sem preguiça! A saúde da sua boca e dos seus dentes agradecem.

Dicas para escovar os dentes da forma correta

  1. Antes da escovação, faça pequenos bochechos com água para tirar o excesso de resíduos e limpe os espaços entre os dentes com o fio dental.
  2. A escova deve ficar em um ângulo de 45 graus em relação aos dentes. Tenha atenção nos locais que concentram resíduos, como a junção da gengiva e dos dentes – assim como os molares.
  3. Escove um dente de cada vez, com movimentos circulares até encostar suavemente na gengiva.
  4. Use creme dental com flúor para recompor o esmalte que se corrói.
  5. Cuide com o enxaguante bucal. Ele auxilia na remoção das impurezas e melhora do hálito, mas não deve ser usado em todas as escovações.

Livre as escovas de bactérias

Você escova bem os dentes, diariamente, como manda o protocolo. Isso é o primeiro passo para manter a saúde bucal em dia. Mas, você sabia que, além da higienização adequada, é preciso ter atenção com o material usado? Sim… a sua escova pode ser um hotel para bactérias e outros fungos, prejudiciais para dentes e gengiva. 

Antes de mais nada, a escova é pessoal, individual! “Desde o primeiro uso, as bactérias da flora bucal já se instalam na escova. Essas não são prejudiciais, mas com o tempo de uso e a umidade, elas podem se proliferar, causando um problema”, afirma Nacarato.

Evite deixar as escovas juntas, isso também pode ser perigoso. “O ideal é que cada uma tenha seu espaço, de preferência com as cerdas protegidas”, diz o profissional. Além disso, elas devem ficar preferencialmente armazenadas, afinal, o banheiro é o local ideal para a contaminação.

Outra dica boa é secar as cerdas após o uso, para evitar que a umidade permaneça. Mas nada de passar os dedos para secá-las – ação muito comum entre as pessoas. O ideal é dar aquela leve batidinha na pia, para retirar o excesso.

Para limpar a escova, pode-se mergulhá-la em solução enxaguante, se não diariamente, pelo menos uma vez por semana. E, claro, trocá-la periodicamente! “Recomendamos a troca de dois a três meses, mas, assim que as cerdas começarem a abrir, é hora de comprar uma nova”, comenta Nacarato.

O uso de escovas velhas ou sujas atrai as bactérias para dentro da boca, podendo causar mau hálito e outras várias infecções bucais.  Fique de olho na escovação e nas escovas das crianças também, que devem ser trocadas igualmente. E, mesmo com a escova em dia, não deixe de realizar a limpeza periódica com um profissional.

Visita ao dentista

Mesmo que a escovação seja feita da forma correta, o paciente deve procurar o dentista ao menos duas vezes ao ano para uma verificação de rotina. “Nessa consulta, além da limpeza mais profunda realizada pelo profissional, é possível identificar possíveis problemas de periodontia e outras situações em estágio inicial, como doenças além da boca”, diz Nacarato, dentista no Jardins, com experiência de mais de 30 anos no consultório.

Dúvidas sobre escovação? Está preocupado com a higienização dos seus dentes? Agende uma consulta com Paulo Nacarato, dentista no Jardins, com consultório confortável e estacionamento próprio.

CategoryOdontologia

Responsável Técnico - Dr. Paulo Nacarato (CROSP 36130)| Clínica Nacarato Odontologia (CROCL9597)

Logo Profissas

Agende sua consulta!